Mazembe, no 4-1-4-1 com boa organização

O Mazembe, adversário do Inter na semifinal do Mundial de Clubes da Fifa, joga no 4-5-1 em duas linhas, com um volante entre elas (desdobrado em 4-1-4-1). E mostrou, na vitória de 1 a 0 sobre o Pachuca, nesta sexta-feira, um bom repertório de movimentos sincronizados, tanto sem a bola como também nas transições ofensivas.

O principal avalista desta variação de jogadas é o meia-central Bedi, autor do gol. Ele atua como um legítimo box-to-box britânico. Recua, marca, combate quando o adversário tem a posse; e avança, desprende-se da linha, oferece alternativa para o passe assim que a posse é recuperada. A participação dele é tão intensa que eu, de início, vi o Mazembe no 4-2-3-1, com Bedi adiantando o posicionamento para a marcação com pressão sobre a bola. Mas, com ajuda do amigo Pedro Lampert, inverteu-se esta percepção: ele não partia da primeira linha para marcar ou avançar com a bola, mas sim recuava da segunda linha acompanhando o adversário.

Com a bola, o Mazembe faz algo comum às equipes em duas linhas. Um winger prefere a diagonal – Singuluma, pela esquerda – e o outro meia-extremo procura a linha de fundo – Kabangu, na direita. O movimento de Singuluma é compensado pelo apoio do lateral Kasusula, que ocupa o corredor aberto pelo companheiro e aprofunda as jogadas na esquerda. Defensivamente, a basculação se dá com o lateral-direito Nkulukuta, mais preso à base, guarnecendo os avanços de Kabangu.

Sunzu é o volante central, entre a linha defensiva e o meio-campo. Segundo avaliação do auxiliar técnico de Celso Roth, Humberto Ferreira, ele é jogador de grande destaque pela capacidade de organizar a equipe no primeiro passe – ‘faz boas inversões’, disse o profissional colorado. Isso é importante no 4-1-4-1 – a transição ofensiva com bola longa para os meias-extremos, abrindo a defesa adversária e dando velocidade à recuperação da bola.

Como o Inter deve jogar em losango, Guiñazu terá de acompanhar os avanços de Bedi, e Tinga cuidará do discreto Kaluyituka. Isso permitirá ao central Wilson Matias proteger o lateral que estiver sob ataque. Afinal, Nei e Kleber vão ‘bater’ com os wingers do Mazembe, e precisarão do socorro de Matias para evitar que os zagueiros Índio e Bolívar saiam da área.

Com a bola, D’Alessandro centralizado provavelmente sofrerá perseguição forte do volante central – Sunzu foi expulso, mas certamente outro marcador implacável atuará por ali. Será importante movimentar-se para, se não conseguir jogar, abrir espaço aos apoiadores Tinga e Guiñazu. Na frente, uma alternativa é deslocar Sobis da esquerda para a direita, jogando sobre o setor do apoiador Kasusula.

Anúncios
Esse post foi publicado em Mundial de Clubes e marcado , . Guardar link permanente.

4 respostas para Mazembe, no 4-1-4-1 com boa organização

  1. Matheus Ortiz disse:

    ótima análise, como sempre, porém creio que o INTER irá no 4-2-3-1.
    Abraço!

  2. Leonardo Sander disse:

    Não seria melhor o Inter jogar no 4-2-3-1, pq daí o D’Ale joga da direita pro meio, com o Giuliano centralizado, pq ele sabe fazer gols ao contrário do tinga, entraria mais na área.

  3. João Carlos disse:

    Grande Edu! Belo post, bem detalhado e didático, tomara que a equipe de profissionais do Inter em Abu Dahbi aproveite esta contribuição pra vencermos esta semi-final. Parabéns!!

  4. Não concordo 100% http://j.mp/ejNLt2 . Não vai ser fácil não. Pena que o Sanzu não vai jogar gostei do volante central.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s