Renato define Rochemback como primeiro volante

Quando Renato Portaluppi anunciou, na sexta-feira, que Vilson havia ganho a disputa pela titularidade com Adilson, imaginei que o zagueiro improvisado no meio-campo seguiria atuando como primeiro volante. Assim havia sido nas rodadas anteriores: Vilson como primeiro vértice do losango gremista.

Mas a volta de Rochemback significou um posicionamento diferente para Vilson. Na vitória de 2 a 1 sobre o Cruzeiro, na tarde deste domingo, o capitão da equipe retornou de lesão como o primeiro volante. Vilson passou para o lado direito, ainda como jogador de marcação, mas um pouco à frente. Lúcio ‘desalinha’ o losango com posicionamento pela esquerda, adiantado, e Douglas fecha na ponta-de-lança, o vértice mais adiantado.

Acreditei que Vilson seria o primeiro volante, com Rochemback mais à direita, baseado em declarações do próprio Renato. Segundo o treinador gremista, o zagueiro torna-se um ‘líbero à frente da zaga’, e apronfundando o posicionamento auxilia também na bola aérea defensiva.

Neste 4-4-2 com losango assimétrico, Rochemback teve de marcar Montillo. O Cruzeiro, em sistema tático idêntico – apesar da estratégia um pouco diferente (movimentação e características diferentes dos atletas) provocou um espelhamento no meio-campo: Rochemback om Montillo, Vilson com Fabrício, Lúcio com Henrique, e Douglas com Marquinhos Paraná.

Esta ordem de embates deu vantagem ao Cruzeiro, principalmente no segundo tempo. Rochemback voltava de lesão, foram 15 dias sem jogar. De início, conseguiu perseguir o enganche argentino, combater, recuperar e travar. Mas na etapa final Montillo seguiu se movimentando, e Rochemback não conseguia mais acompanhá-lo. Para piorar a situação tricolor, o Cruzeiro permitia ao Grêmio fazer a saída com Vilson pela direita – sem tanta qualidade quanto Rochemback, devolvendo a bola ao adversário. Que ocupou o campo do Grêmio, adiantando o posicionamento – posse de bola ofensiva, e sem ela marcação agressiva.

Mas outros acertos do Grêmio de Renato compensaram a arriscada marcação a Montillo. Gilson na lateral-esquerda em lugar de Fábio Santos no segundo tempo; e Júnior Viçosa substituindo o lesionado André Lima.

Com Viçosa, Gabriel ganhou companhia. Sem ser um centrovante de referência, o camisa 9 saía do meio (onde disputava a ligação direta de Victor, Paulão ou Vilson) para a direita, chamando o lateral às tabelas curtas e às combinações. E com Gilson, Lúcio enfim assistiu à passagem de um lateral-esquerdo, também contando com um companheiro nas trocas de passes. Não deveria sair do time.

Viçosa-Gabriel e Lúcio-Gilson foram as válvulas de escape do Grêmio à dominação territorial cruzeirense. Defendendo-se, com posse de bola  reduzida e posicionamento mais recuado, o Grêmio tinha duas alternativas para Douglas e Rochemback no passe preciso, quando encontravam espaços na armação.

Tudo indica que Rochemback será o primeiro volante, e enquanto Adilson estiver na preparação física, Vilson permanecerá ocupando a faixa direita do losango. Mas seria prudente ao menos testar nos treinos a inversão, reconstituindo Vilson na proteção aos zagueiros, e dando um pouco mais de campo para Rochemback fazer o primeiro passe até Douglas, Lúcio, atacantes ou laterais.

Ainda assim, foi um grande jogo do Grêmio. Renato, na média, saiu-se muito bem em suas escolhas. Os jogadores contribuiram com muita aplicação para correr atrás de uma equipe tecnicamente melhor, conquistando a vitória de virada.

Anúncios
Esse post foi publicado em Grêmio e marcado . Guardar link permanente.

7 respostas para Renato define Rochemback como primeiro volante

  1. Sabe muito!

    Ainda vou ver esse blog dentro do Globoesporte.com fazendo muito sucesso.

    Grande abraço

  2. Victor Lucena disse:

    Bela análise, Cecconi.

    Acredito que o Renato não quis botar o Rochemback na direita pela sua falta de velocidade. E além disso, o capitão gremista vinha sem ritmo de jogo, iria cansar rapidamente.

    Não gostei muito da atuação do Vilson pela direita, mas, acho que no GREnal, o Adílson deve voltar.

    Aí vai sobrar para alguém desse time titular: Vilson, R. Marques ou Paulão. Um desses, vai sair para a volta do Alemão.

  3. Pingback: Jogo típico de Grêmio | Grêmio, meu bom amigo.

  4. Fábio Nonato disse:

    Renato esta surpreendente no comando do Grêmio, estou gostando de ver.

  5. Olha que perigo!!! Vou discordar do mestre!

    Contra o Cruzeiro, vi muito mais um Grêmio com meio campo em quadrado, com Douglas mais à direita e Rochemback e Vilson centralizados, com o segundo saindo mais, do que o habitual losango dos últimos jogos.

    E acho que por essa sensível mudança o Grêmio perdeu muitas vezes o meio-campo para o Cruzeiro, pois ficou um vão entre Douglas e Gabriel.

    Mas concordo contigo quanto ao Gilson, não pode sair do time. Ele na esquerda contribui para que o Grêmio fique uma equipe veloz, o que não é há anos! A entrada do Lúcio no lado esquerdo do meio, claro, é fator definitivo para isso.

  6. Cecconi,

    Belíssima leitura do jogo. Pessoalmente, prefiro o Grêmio à inglesa, em um 4-4-2 de duas linhas de quatro homens, sem essa de primeiro ou segundo volante, onde, quando um volante vai, o outro fica e vice-versa.

    Quando há um enganche, o losango é mais adequado. Porém, é uma faca de dois gumes: arrisca mais no ataque, mas deixa a defesa normalmente menos protegida.

    Agora, sob qualquer circunstância, só há dois técnicos capazes de formar um 3-5-2 mais equilibrado e mais eficiente, embora normalmente pouco atraente: Tite e Muricy Ramalho.

    Fora isso, sou pelo 4-4-2 em duas linhas – salvo quando houver o enganche.

    []’s,
    Hélio

  7. Guaipeca disse:

    Eu vi um losango mesmo, e gosto dessa tática, mas para mim, o primeiro volante precisa ser um bruto porrador huahua Salve excessões.

    Vilson devia ocupar aquela faixa de campo, mas acho que Renato escolheu sabiamente o Roca para aquela posição, Vilson, com toda sua instabilidade, teria feito faltas excessivas no Montillo, seria perigoso, cedendo outro para sua marcação e botando um jogador mais experiente na cola do craque argentino, vimos uma ótima troca do idolo gremista!

    Viçosa adotou uma postura bem diferente de André Lima, e interessante, com muito mais velocidade, deu muita assistencia a Gabriel, ótima alternativa!

    Pra mim, Adilson deve voltar ao time, ocupando a segunda posição de volante, acho ele melhor lá. Roca é mais lento, trava bem aquele setor, e tem uma boa habilidade pra recolocar a bola. Adilson é mais técnico, teria mais liberdade na segunda posição.

    Lúcio faz um bom trabalho, mas para ano que vem, se continuarmos com a tática, precisamos de um meia solto de ofício, Souza nos tempos áureos faria bem isso, mas infelizmente ele ultimamente vem estando longe do jogador que é.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s